• Jornal Esporte e Saúde

"Defesa Civil na Escola" começa em Macaé pelo Colégio Ancyra Gonçalves Pimentel


Atividade foi realizada nesta quarta-feira (27)


A primeira unidade municipal a receber o Programa "Defesa Civil na Escola" foi o Colégio Municipal Ancyra Gonçalves Pimentel, no Miramar. O projeto, que começou nesta quarta-feira (27), tem a parceria da Secretaria de Educação e do Escritório de Gestão, Indicadores e Metas do município (Egim). O objetivo é capacitar alunos e professores do 1º ao 6º anos, e demais profissionais das unidades escolares, a como agir em caso de desastres.


Para fazer de Macaé um município mais seguro, inclusivo e resiliente, são repassadas noções de autoproteção de desastres naturais, a partir do conhecimento de percepção dos riscos; e prevenção e combate a incêndios e acidentes domésticos; primeiros socorros desde o atendimento inicial até a quem chamar; ambiente e cidadania; e a implementação do Plano de Emergência para a Escola.

Cerca de 100 adolescentes do sexto ano do Ensino Fundamental acompanharam a palestra na quadra do colégio. Maria Clara Castro, de 12 anos, mostrou conhecimento sobre as atribuições da Defesa Civil. "É um órgão que cuida da proteção da população através de um conjunto de ações. E todos nós podemos ajudar", disse.

"Esse trabalho de formação é importantíssimo, com os jovens aprendendo sobre a preservação da vida. Esse ensinamento é primordial, porque já vão saber como proceder em situações como um acidente doméstico, por exemplo", pontuou o prefeito de Macaé, Welberth Rezende, que visitou a unidade escolar nesta tarde, durante o lançamento do projeto.

“É fundamental que alunos e professores saibam lidar com a prevenção de acidentes dentro das escolas, em casa e na comunidade em que vivem. A escolha desta escola não foi à toa. Aqui aconteceu um deslizamento de terra em 2013”, destacou o Secretário Adjunto de Defesa Civil, Joseferson de Jesus Florencio.

A diretora geral do Colégio Municipal Ancyra Gonçalves Pimentel, Adriana Baldi, ressaltou a importância da iniciativa. "É sempre bom recebermos pessoas que estão dispostas a repassar conhecimento. É a hora de pararmos para ouvir e aprendermos cada vez mais, porque são informações extremamente úteis para o nosso dia-a-dia", afirmou. Outras escolas Serão realizados encontros semanais contemplando outras 19 escolas nesta primeira etapa, que vai até o mês de novembro. A prioridade é atender primeiro unidades localizadas em áreas vulneráveis a desastres naturais, como os bairros Fronteira, Ajuda de Baixo, Ilha Leocádia, Malvinas, Nova Esperança, Águas Maravilhosas e Morro de Santana, na sede do município; e Trapiche, Córrego do Ouro, Glicério e Bicuda Pequena, na região serrana. Para que o conhecimento chegue de forma fácil à comunidade escolar, a Defesa Civil criou o mascote “Formigão”; caderno para colorir com desenhos e jogos sobre as ações implementadas pelo órgão; e uma cartilha com o conceito da Defesa Civil e o que cada cidadão deve fazer para contribuir na prevenção e proteção dos riscos. Ao final do programa, em cada escola haverá um simulado de incêndio com evacuação do espaço para estimular o que fazer na prática em momento de risco. As diretrizes atuais da Defesa Civil seguem o marco de ação de Sendai, definido pela Organização das Nações Unidas (ONU), para a promoção de ações que aumentem a resiliência a partir da prevenção e redução do risco de desastres por meio de cooperação. O mascote “Formigão” remete à cooperação do trabalho em equipe, organização e planejamento.


* Equipe Secom \ Comunicação Macaé \ Foto: Maurício Porão.


Patrocinado:






6 visualizações0 comentário