top of page
  • Jornal Esporte e Saúde

Covid: indicadores epidemiológicos seguem em tendência de queda no estado

Secretaria de Saúde (SES) reforça importância da vacinação para evitar casos graves e óbitos pela doença


Rio tem 81% da população, com idade acima de 3 anos, com o esquema vacinal completoDivulgação/Prefeitura de Saquarema

Rio – Os indicadores da covid-19 no estado do Rio seguem em tendência de queda. A informação foi divulgada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), neste sábado (10), e considera os dados registrados nas semanas epidemiológicas 47, que vai do dia 20 a 26 de novembro, e 48, que vai do dia 27 de novembro a 3 de dezembro. No período analisado, o número de casos por início dos sintomas registrado por semana passou de 17.988 para 8.594, o que representa uma redução de 52,22%.


As taxas de positividade de antígeno e RT-PCR também apresentam tendência de queda. Entre os dias 27 de novembro e 03 de dezembro, foram realizados em média 3 mil testes de antígeno por dia, sendo a positividade de 29%. Em relação ao RT-PCR, estão sendo analisados em média 570 exames por dia, com positividade de 37%. "Pela segunda semana consecutiva, os indicadores da Covid-19 apresentam redução. É importante que a população continue se vacinando e completando o esquema vacinal. Quem ainda não tomou as doses de reforço deve retornar aos postos de saúde para receber a imunização. As vacinas são seguras e ajudam a evitar casos graves, internações e óbitos pela doença", reforçou o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe. Os atendimentos a casos de síndrome gripal nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da rede estadual tiveram queda de 31% no período analisado. Na semana de 27 de novembro a 03 de dezembro, foram registrados 1.899 atendimentos, sendo 1.796 adultos. Já na semana de 20 a 26 de novembro, foram 2.757 atendimentos, sendo 2.610 adultos. As solicitações de leitos para tratamento da Covid-19 apresentaram redução na semana de 27 de novembro a 03 de dezembro, com uma média de 19 pedidos por dia, sendo 9 para UTI e 10 para enfermaria. Na semana de 20 a 26 de novembro, a média de solicitações era de 26 leitos por dia, sendo 12 para enfermaria e 14 para UTI. Nesta última semana, do dia 5 ao dia 9 de dezembro, foi possível acompanhar o número de novos casos confirmados pela doença oscilar gradativamente, subir na quinta-feira (8), contabilizando mais de cinco mil novos casos, e cair bruscamente nesta sexta-feira (9), quando 90 casos e nenhuma morte foram registrados, no mesmo período. Na quarta-feira (7), foram 29 mortes.

Queda contínua na Capital

Na última sexta-feira (2), a cidade do Rio também presenciou a queda dos números de casos positivos e de internações referentes a covid-19, segundo o Painel Rio Covid-19 da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A melhora nos dados acontece depois de um crescimento ocorrido no começo de novembro devido a propagação de uma subvariante do vírus chamada de Ômicron BQ.1. No


O pico de confirmações aconteceu na semana entre os dias 14 e 20 de novembro com 29.159 casos, passou para 12.783 entre os dias 21 e 27 e atualmente tem apenas 1.434 casos confirmados entre o último dia 28 de novembro e a última a sexta-feira (2).


A taxa de positividade nos testes também vem diminuindo nas últimas três semanas. De acordo com a SMS, o número caiu de 30% para 25%. O número de internações também apresentou melhoras. São 145 pessoas internadas nesta sexta-feira (2) e uma esperando na fila. Na semana passada, mais de 200 infectados receberam cuidados nas enfermarias e Unidades de Terapia Intensiva (UTI) das unidades de saúde municipais.


Lotes de vacinas bivalentes


A resposta contra o vírus – repetida incansavelmente por especialistas – é a vacinação. Nesta sexta-feira, o Brasil recebeu o primeiro lote com 1,4 milhão de doses de vacinas bivalentes contra covid-19. Elas são de fabricação da Pfizer e protegem contra a variante Ômicron original e a variante BA1. Em comunicado, o Ministério da Saúde informou que o contrato firmado com o laboratório prevê a entrega de todas as vacinas disponíveis, com as atualizações, e aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Para identificação, os frascos das vacinas bivalentes têm tampa na cor cinza, cada um com seis doses. Agora, as doses passarão por avaliação e análise do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde. As orientações sobre a distribuição, a aplicação das vacinas e o público-alvo serão divulgadas pelo Ministério da Saúde, em nota técnica, nos próximos dias. "Mesmo diante da chegada dos novos lotes de vacinas, é importante reforçar que as doses disponíveis neste momento nas salas de vacinação de todo Brasil são eficazes contra a doença e protegem contra casos graves e óbitos. Os brasileiros devem procurar os postos de vacinação mesmo após o prazo para a dose de reforço", alertou o Ministério da Saúde.

No estado, o Vacinômetro indica que até a última quinta-feira (8) foram aplicadas 40.201.396 doses do imunizante contra o coronavírus. Desse total, 14.5 milhões são da primeira dose, 13.2 milhões da segunda, 8 milhões da terceira dose e 3.5 milhões do segundo reforço.

De acordo com o painel, 81% da população do estado com idade acima de 3 anos está com o esquema vacinal, que inclui primeira e segunda dose, completo.


* https://odia.ig.com.br/


Divulgação:






6 visualizações0 comentário
bottom of page