• Jornal Esporte e Saúde

Com mudanças no tempo, devemos lembrar que chuva e esgoto não se misturam

Redes pluviais e de esgoto têm finalidades diferentes e ligações incorretas podem gerar muitos transtornos, como vazamentos e retorno para os imóveis


Foto: Divulgação


A região está em seu período chuvoso o alerta sobre a possibilidade de pancadas tem sido constante nos últimos dias. Nesta época, é importante lembrar que há muitas diferenças entre a rede que faz a coleta de esgoto das residências e a que tem por função a drenagem da água da chuva. Isso porque, sempre que essa separação não é respeitada, o risco de prejuízos, como vazamentos e retorno de esgoto para as residências, aumenta significativamente.

Operadas pela BRK, as redes de esgoto fazem a coleta dos resíduos líquidos produzidos nas atividades do cotidiano. É o caso da água que escoa pelos ralos e vasos sanitários dos imóveis, sendo recolhida pela tubulação e direcionada para a estação de tratamento de esgoto (ETE), onde passa por processos que vão torná-la apta para retornar ao meio ambiente sem prejuízos.

Já a rede de drenagem, de responsabilidade das prefeituras, recolhe os excessos de água da chuva. O sistema é formado por estruturas encarregadas de conduzir essas águas que não precisam de tratamento de volta aos rios, lagos e mares, evitando, assim, os alagamentos. Para que o escoamento seja eficiente, no entanto, as galerias não podem estar obstruídas. Por isso, é necessário, por exemplo, não descartar lixo irregularmente nas vias.

Água da chuva e esgoto não devem se misturar

Os problemas se agravam quando as duas redes são interligadas incorretamente, levando o esgoto para a rede de drenagem de águas pluviais para ser lançado diretamente em rios, lagos e mares, sem antes passar por uma estação de tratamento. Este é um dos principais fatores para o surgimento das chamadas “línguas sujas” nas praias, por exemplo.

O oposto também é ruim. Quando são as águas da chuva que vão equivocadamente para a rede de esgoto, aumentam as chances de vazamentos e o retorno do desta água suja para as residências. Isso acontece porque a tubulação da rede de esgoto foi dimensionada para receber somente o volume de resíduos líquidos gerado pelos imóveis.

- A sobrecarga do sistema de coleta de esgoto pode provocar, inclusive, o rompimento das tubulações. Além disso, a eficiência do tratamento fica prejudicada pelo excesso de água na rede, já que faz com que o esgoto chegue à estação muito diluído - explica o diretor da BRK em Macaé e Rio das Ostras, Ricardo Santiago.

Vale lembrar que todos têm um papel fundamental nestes cuidados e que é uma responsabilidade dos moradores fazer a ligação correta do imóvel à rede de esgoto onde ela está disponível. O neste ciclo da preservação do meio ambiente e da saúde individual e coletiva, outros esforços são necessários, como o descarte correto do lixo e de materiais como o óleo de cozinha.


* Carlos Vinícius Fernandes /Comunicação/BRK Macaé e Rio das Ostras


Divulgação:






5 visualizações0 comentário