top of page
  • Jornal Esporte e Saúde

Com datas definidas para o Mundial, Vítor Pereira mira Flamengo rodado para Supercopa com o Palmeira

Com datas definidas para o Mundial, Vítor Pereira mira Flamengo rodado para Supercopa com o Palmeiras


Com a base do time do Flamengo montada, Vítor Pereira terá a missão de dar seu toque pessoal para preparar a equipe frente aos principais desafios do primeiro semestre, em especial o Mundial de Clubes, no Marrocos. Por mais que projete assinar uma obra final de sucesso, admite utilizar traços do trabalho anterior, coroado com as conquistas da Libertadores e da Copa do Brasil.

Planejamento do Mundial montado

O Flamengo decide a Supercopa do Brasil no dia 28 de janeiro, contra o Palmeiras, em local ainda não divulgado. A previsão a diretoria rubro-negra é de que a delegação viaje para o norte da África na noite do dia 2 de fevereiro. O clube trabalha com duas datas para semifinal e final: dias 7 (em Tânger) e 11 (em Rabat) de fevereiro.


Vítor Pereira orienta time do Flamengo em treinamento no dia de sua apresentação

— Foto: Gilvan de Souza/Flamengo


O tempo é curto. Vitor Pereira terá nesta quarta o grupo completo, com as reapresentações de Everton Ribeiro e Pedro, que disputaram a Copa pela seleção brasileira. O grande reforço do time por enquanto é Gerson.


Vítor não hesita ao tratar a Supercopa como primeira prioridade de 2023, mas crê que, para chegar em condições de vencer o Palmeiras e conquistá-la, é preciso dar rodagem e competitividade ao time no Carioca, cujo início está marcado para o próximo dia 12, contra o Audax, no Maracanã.

Ou seja, o Flamengo não jogará os cinco jogos que antecedem a Supercopa exclusivamente com uma equipe de garotos.

- Preciso de algum tempo de trabalho com a equipe e transmitir as ideias. Preciso alinhar os jogadores com aquilo que pretendemos, mas logo que possível necessitamos de jogos. Precisamos jogar porque o treino não é suficiente. É preciso haver competição também. Espero competir até o jogo com o Palmeiras, que é prioridade, que é o próximo grande duelo. Com título a disputar, a prioridade será essa - explicou.

Com a base campeã da Copa do Brasil e Libertadores montada, Vitor Pereira não tem a intenção de promover uma ruptura completa com o modelo de jogo, mas quer adicionar detalhes de sua filosofia de jogo com agressividade, pressão no adversário, domínio e posse de bola. E garante ter experiência para implementar seus traços dentro de um espaço de tempo reduzido.


- O trabalho foi muito bem feito (por Dorival Júnior), um trabalho com títulos e eu não vou chegar e pintar a casa de novo, vou pintando da minha maneira, divisão por divisão. E para a casa ficar construída da nossa forma leva algum tempo. Mas a minha experiência me permite a ir aos comportamentos, sem perder muito tempo, para alinharmos as nossas ideias. Só vou poder responder quando estivermos próximos ao jogo contra o Palmeiras.


Vítor Pereira em conversa com o elenco do Flamengo — Foto: Gilvan de Souza/Flamengo


Além da Supercopa e Mundial, o Flamengo tem no curto prazo a disputa do título da Recopa, contra o Independiente del Valle. A partida de ida acontece no dia 21 de fevereiro, em Guayaquil. Já a volta está marcada uma semana depois, 28 de fevereiro, no Maracanã.

- Uma das razões fortes de eu aceitar foi a forma ambiciosa que me apresentaram o projeto e a qualidade do elenco. E essa qualidade agora vai nos fazer construir um jogo que tenha uma identidade de jogar pelos jogadores, e não por mim. Aquilo que temos que fazer é um jogo que os liga e que seja consistente. Vamos tentar fazer isso. Temos pouco tempo, mas tanto os jogadores quanto a equipe técnica têm experiência para num curto espaço de técnico ir agilizando essa forma de jogar.

- Foi um trabalho muito bem feito com títulos, eu não vou chegar e pintar a casa de novo. Vou pintando nas cores que eu quero, à minha maneira, divisão por divisão. E para a casa ficar construída da nossa forma leva algum tempo. Mas a minha experiência me permite a ir diretamente aos comportamentos sem perder muito tempo. E eles já começaram a entender. Já começarmos a alinharmos as nossas ideias. Só vou poder responder (se o time terá a cara de Vítor) quando estivermos próximos ao jogo contra o Palmeiras.

Em sua aquarela no Brasil, Vítor trocou de cores e começa a adicionar o vermelho e preto para pintar o dourado das taças que ainda não tem no país. Sem pressa, mas com criatividade para dar nova vida ao quadro rubro-negro de atletas.

* https://ge.globo.com/futebol/Por Fred Gomes e Fred Huber — Rio de Janeiro


Divulgação:



Delivery /- Macaé - RJ



6 visualizações0 comentário
bottom of page