• Jornal Esporte e Saúde

Com 38 projetos de energia, Norte Fluminense vai gerar equivalente a mais de três usinas de Itaipu


Foto: Divulgação

Os projetos de usinas energéticas do Norte Fluminense poderão mudar o patamar da região como uma das capitais da energia do país. Um levantamento da Firjan registra um total de 38 projetos de geração de energia em apenas quatro cidades da região, mais da metade deles já em operação, em obras ou licenciados. São termelétricas, usinas eólicas, solares e de hidrogênio que, juntos, terão capacidade de gerar o equivalente a mais de três hidrelétricas de Itaipu, a maior do Brasil e uma das maiores do mundo.

“A reunião dessas informações é importante para demonstrar ao mercado de petróleo e gás e aos investidores em geral, as diversas oportunidades vigentes no Norte Fluminense. E é importante também para buscarmos cada vez mais, junto aos agentes públicos, as melhorias que a região tanto precisa para se desenvolver, e contribuir cada vez mais com a produtividade do país, do estado e dos municípios, diminuindo, também, a dependência dos royalties de petróleo”, destacou o presidente da Firjan Norte Fluminense, Francisco Roberto de Siqueira.

Ao todo, são 19 termelétricas, nove usinas eólicas offshore e sete usinas solares, além de outras duas de hidrogênio e uma eólica, capazes de gerar 49,22 GW – mais que o triplo, portanto, da usina de Itaipu (14 GW). Do total de 38 projetos, quatro já estão em operação: a usina eólica de Gargaú, em São Francisco; e as termelétricas Norte Fluminense I, também em São Francisco, a GNA I, em São João da Barra, e a Termomacaé, em Macaé. Outros 16 estão em obras ou licenciados. Dois deles têm previsão de começarem a operar dentro de até cinco anos – ou seja, até 2027 a região contaria com seis projetos em operação, gerando 5,31 GW. Esta energia equivale à usina de Churchill Falls, a maior do Canadá e a maior hidrelétrica subterrânea do mundo.

Projetos em São João, Macaé, Campos e São Francisco

São João da Barra, com o Porto do Açu, é o que tem mais: 18 projetos, sendo quatro termelétricas (uma em operação, uma em construção e duas já licenciadas); cinco usinas solares (quatro licenciadas e uma em estudo); sete eólicas offshore (todas em fase de licenciamento); e duas de hidrogênio, ambas em estudo. Dessas, a termelétrica GNA II tem previsão de começar a operar em 2025.

Em Macaé, existem outros 14 empreendimentos, a grande maioria termelétricas (13), mas há também um projeto de eólica offshore. O número total inclui a Termomacaé, já em operação. A previsão é de que no ano que vem comece a funcionar mais uma, a Marlim Azul. Os demais projetos estão em processo de licenciamento ou não possuem início previsto de operação.

"Os processos para a construção de usinas térmicas exigem licença de instalação do Inea, o que significa que o balanço hídrico da bacia hidrográfica é avaliado considerando a demanda de água dos empreendimentos e as necessidades dos cidadãos. Portanto, todos ritos estão sendo tratados pelos órgãos competentes de forma adequada, assim como o município também já vem se preparando para que estes projetos tragam desenvolvimento sustentável à cidade e à região", destacou o coordenador da Comissão Municipal da Firjan em Macaé, Gualter Scheles.

Já Campos e São Francisco de Itabapoana contam com três empreendimentos cada. Em Campos, há duas usinas solares já licenciadas e uma eólica offshore em processo de licenciamento; e São Francisco conta com uma eólica e uma termelétrica já operando, mas há ainda uma outra termelétrica licenciada, com mais do que o dobro da capacidade atual.

Os dados foram levantados pela federação a partir de dados públicos disponibilizados pela Aneel e Ibama, além de notícias de mercado divulgadas pelas empresas responsáveis. O gerente de projetos de Petróleo, Gás e Naval da Firjan, Thiago Valejo, ressalta que algumas previsões de conclusão podem sofrer alterações, mas o volume de empreendimentos demonstra que a região está no rumo correto da sustentabilidade energética.

“É preciso trabalhar pelo desenvolvimento de projetos de consumo de gás natural, e assim expandir os efeitos benéficos desse mercado para além dos royalties e da exploração e produção de petróleo. Com isso, poderemos atrair novas indústrias na área de petroquímica e fertilizantes, por exemplo, como evidenciado no estudo recente da Firjan SENAI, que revelou possibilidades de atração de R$ 65 bilhões para o estado em projetos de gás e petroquímica, além da geração de 180 mil postos de trabalho somente para escoamento e tratamento de gás”, destacou Valejo.

Foto: Divulgação

Qualificação profissional

Energia é uma das principais agendas do mundo, e o mercado de petróleo e gás continua, naturalmente, com uma importância fundamental para a economia mundial. No Norte Fluminense, uma prova da importância que a Bacia de Campos continua e continuará tendo é o volume de novos atores, a despeito dos mais de 40 anos de exploração e produção de petróleo e gás na região.

Principalmente com o Programa de Revitalização e Incentivo à Produção de Campos Marítimos (Promar), diversas empresas operadoras tem expandido sua atuação na região, como as multinacionais Shell, Trident Energy, Perenco, Equinor, além das companhias brasileiras PetroRio e Dommo. A própria Petrobras, recentemente, inaugurou uma Base de Apoio Offshore em Macaé, num investimento de R$ 24 milhões para operação nos próximos meses.

Por isso, a Firjan SENAI conta com vários cursos para quem deseja aproveitar as oportunidades já disponíveis e que aumentarão nesse mercado. Entre eles estão: “Técnico em Sistemas de Energia Renovável”, “Técnico em Eletrotécnica” e “Instalador de Sistemas Fotovoltaicos”.

Dois deles são na modalidade de ensino à distância (EAD): “Técnico em Sistemas de Energia Renovável” e “Técnico em Eletrotécnica”. Ambos estão com vagas abertas, mas é preciso estar matriculado no Ensino Médio a partir do 2º ano, ou comprovar a conclusão do mesmo. Também é necessário ter disponibilidade para participar de encontros presenciais, aulas práticas e, caso sejam promovidas, de aulas em laboratório ou visitas técnicas.

Para “Instalador de Sistemas Fotovoltaicos”, é preciso ter no mínimo 18 anos e Ensino Fundamental completo. Por ora, as aulas são exclusivas na Firjan SENAI Caxias.

Confira todos os cursos disponíveis na Firjan SENAI clicando aqui.


* Felipe Sáles \ Assessor de Imprensa \ Gerência de Imprensa e Conteúdo (GIM)

Firjan Norte e Noroeste Fluminense


77 visualizações0 comentário