• Jornal Esporte e Saúde

Campanha sobre obesidade infantil, Ministério da Saúde anuncia R$ 90 milhões para prevenção a doença

Divulgação de ações para o enfrentamento do sobrepeso das crianças também tem lançamento de painel nutricional


- Foto: Myke Sena/MS


Uma doença que afeta milhares de crianças no Brasil: a obesidade infantil é motivo de alerta. O Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani) revelou que 7% das crianças brasileiras menores de cinco anos estão com excesso de peso e 3% estão obesas. Incentivar a alimentação saudável, a diminuição do sedentarismo e ações voltadas para a saúde das crianças é papel de toda a sociedade. Nesta terça-feira (10), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou a destinação de R$ 90 milhões para fortalecer o cuidado e a nutrição dos brasileirinhos.


O lançamento de várias ações para deter o avanço da obesidade infantil no país contou com a assinatura de duas portarias. Os atos foram firmados na cerimônia anual de lançamento da campanha sobre a obesidade infantil, com o lema: “Vamos prevenir a obesidade infantil: 1,2,3 e já!”.


Na ocasião, Queiroga reforçou a importância da valorização da Atenção Primária à Saúde (APS), um dos pilares do SUS. “Vamos melhorar a Atenção Primária. Para isso, precisamos de toda a estrutura do Sistema Único de Saúde (SUS) através dos municípios que, na prática, são quem implementam esses programas. A organização tripartite do SUS é a principal arma para que consigamos executar essa tarefa de maneira eficiente”, disse. A primeira portaria assinada hoje institui a Estratégia Nacional de Prevenção e Atenção à Obesidade infantil (Proteja), que busca articular as iniciativas nos estados, no Distrito Federal e nos municípios. A segunda destina três parcelas de R$31,9 milhões por ano, durante três anos, para cidades de até 30 mil habitantes que registraram, em 2019, sobrepeso em mais de 15% das crianças menores de 10 anos. Os municípios que se encaixarem nos critérios estipulados pelo texto podem fazer a adesão ao incentivo financeiro a partir desta quarta (10) até 20 de setembro de 2021. Os eixos principais da medida são a vigilância alimentar e nutricional; o diagnóstico precoce e cuidado adequado às crianças; e a promoção da saúde nas escolas para torná-las espaços que promovam o consumo de alimentos saudáveis e para que elas incentivem a prática de exercícios.

Também nesta terça, o Ministério da Saúde se uniu à Pasta da Educação, entidades profissionais e organismos internacionais para firmar um compromisso social. O objetivo é apoiar a implementação das ações voltadas para a prevenção e atenção à obesidade nos municípios no âmbito da Proteja.


No evento, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, reforçou a importância do trabalho em conjunto para oferecer alimentos de qualidade, seja em casa ou nas escolas. “O que o Ministério da Saúde está fazendo hoje é algo importantíssimo porque somente os que têm conhecimento técnico podem orientar o que o MEC vai colocar nas nossas escolas para as crianças. Todos os anos nós gastamos R$2,5 bilhões com programa de alimentação escolar nas escolas públicas para colocar comida nas mesas das nossas crianças brasileiras. E o que foi decidido hoje vai orientar a como os gestores lá da ponta podem trabalhar”, afirmou.

“Vamos prevenir a obesidade infantil: 1,2,3 e já!” Neste ano, a campanha contra a obesidade infantil do Ministério da Saúde reforça a responsabilidade de todos por cuidar e incentivar crianças a adotarem uma alimentação saudável e praticar atividades físicas. Também ressalta a atuação da Pasta como líder de ações intersetoriais de promoção da saúde, prevenção e atenção à obesidade infantil.

“O número de obesidade vem aumentando cada vez mais e a estratégia lançada hoje tem como objetivo colocar freio nisso. Como médico posso afirmar que a obesidade é uma doença que aumenta o risco de outras doenças. Precisamos conter o problema e combater o sedentarismo”, explicou o secretário de Atenção Primária do Ministério da Saúde, Raphael Câmara.


A publicidade, que será divulgada a partir desta terça até o dia 24 de agosto, é composta por um filme para TV, spot para rádio, anúncio de revista, peças de mobiliário urbano, banners em portais diversos e peças para redes sociais.


Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil

Os dados da pesquisa, feita em 2019, mostram uma maior prevalência de obesidade infantil nas regiões Nordeste (3,4%), Sul (3,4%) e Sudeste (3,1%). As regiões Norte apresentaram 1,9% e a Centro-Oeste 2,1%. O estudo revelou ainda que já estão em risco de sobrepeso, 22,2% das crianças da região Sul, 18,4% da região Sudeste, 18,2% da região Nordeste, 16,4% da região Norte e 14,5% da região Centro-Oeste. O levantamento avaliou 14.558 crianças com idade de 0 a 59 meses.

Painel nutricional

Ainda nesta terça-feira, o Ministério da Saúde lançou um painel para apoiar os estados e municípios no acompanhamento nutricional das crianças menores de 10 anos na Atenção Primária à Saúde (APS). A plataforma traz informações sobre a situação alimentar a partir dos dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, para os anos de 2018 a 2020.

No contexto da Proteja, o painel permitirá que os gestores municipais de saúde façam o acompanhamento das ações e cumprimento de metas relacionadas ao indicador do estado nutricional, conforme descrito em Portaria. Dentro da plataforma, é possível acessar dados por estado e o percentual de crianças, por faixa etária, que apresentam sobrepeso, obesidade, peso adequado ou abaixo do normal. No evento, a coordenadora-geral de Alimentação e Nutrição, Gisele Bortolini, apresentou o cenário epidemiológico atual e a estratégia do Ministério para diminuir os índices de obesidade infantil.


De acordo com ela, os dados do Brasil sobre o cenário nutricional apontam que, em 2020, entre as crianças acompanhadas na Atenção Primária à Saúde do SUS, 15,9% dos menores de 5 anos e 31,8% das crianças entre 5 e 9 anos tinham excesso de peso. Destas, 7,4% e 15,8% apresentavam obesidade, respectivamente (segundo Índice de Massa Corporal (IMC) para idade). Quanto aos adolescentes acompanhados na APS em 2020, 31,9% e 12% apresentavam excesso de peso e obesidade, respectivamente.


Curso sobre obesidade infantil A Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES) desenvolveu um curso online, voltado para profissionais de saúde, sobre prevenção e controle do excesso de peso. O curso "Obesidade Infantil: uma visão global da prevenção e controle na atenção primária" será disponibilizado na plataforma Avasus (https://avasus.ufrn.br/) e tem carga horária de 40 horas. Uma das suas propostas é ampliar a discussão sobre o cuidado e a saúde da criança com excesso de peso.


Reconhecimento


Durante a cerimônia, Queiroga condecorou o ministro Milton Ribeiro com a Medalha do Mérito Oswaldo Cruz no grau ouro. Ao lado do presidente Jair Bolsonaro, o ministro já havia distribuído a honraria a outros ministros autoridades que contribuíram para o bem da coletividade no país.


Criada em 1970, com o nome do cientista, médico, sanitarista e um dos fundadores da saúde pública brasileira, a Medalha do Mérito Oswaldo Cruz é dividida em três graus de condecoração: ouro, prata e bronze.

* Mahila Lara e Nathan Victor / Ministério da Saúde.


3 visualizações0 comentário