• Jornal Esporte e Saúde

Brasil vence os EUA nas Eliminatórias da Copa do Mundo de basquete

Em Washington, Bruno Caboclo foi destaque e seleção brasileira bateu a americana --sem os astros da NBA-- em duelo válido pela classificatória para o Mundial do ano que vem

A seleção brasileira masculina de basquete do Brasil venceu os Estados Unidos, por 94 a 79, em Washington, nesta noite de sexta-feira. A vitória brasileira na capital americana valeu pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de basquete, que acontece em agosto e setembro do ano que vem, em sede dividida entre Japão, Indonésia e Filipinas.


Agora, o Brasil tem seis vitórias e três derrotas na competição classificatória para o mundial de 2023. Já os EUA têm sete vitórias e acumularam a segunda derrota na competição. Os americanos já haviam perdido para o México, adversário dos brasileiros na madrugada da próxima segunda para terça-feira. As Eliminatórias classificam os sete primeiros colocados das Américas para a Copa do Mundo. As seleções estão divididas em dois grupos: os três primeiros de cada, além do quarto melhor colocado, carimba o passaporte para o Oriente no ano que vem. - Nossa estratégia no jogo era chutar o melhor possível sem desperdiçar bola na transição. Porque sabemos que o time dele é muito atlético e que eles gostam de aproveitar essas bolas fáceis no contra-ataque. A gente controlou o ritmo do jogo, teve muita disciplina tática e forçamos eles a jogarem no 5 contra 5. Foi até o final do último quarto foi praticamente perfeito. Saímos com a vitória com uma diferença de 15 pontos - analisou o ala Georginho.

Bruno Caboclo enterra em jogo contra os EUA nas Eliminatórias da Copa do Mundo de basquete — Foto: FIBA

Na partida desta sexta, o Brasil começou com Marcelinho Huertas, Georginho, Léo Meindl, Felício e Tim Soares. O grande destaque, porém, veio do banco: o pivô Bruno Caboclo foi o cestinha da partida, com 24 pontos. Georginho também teve uma grande atuação, com 18 pontos. Huertas também teve uma boa noite, com oito pontos e sete assistências.


Pelo lado americano, Chiozza foi quem melhor jogou. No entanto, é preciso lembrar que os astros da NBA não fazem parte desta seleção americana. Os atletas que enfrentaram o Brasil têm passagens pela liga profissional dos EUA, mas sem destaque ou com poucos minutos em quadra. A seleção brasileira também não contou com o único jogador do país que atua na NBA hoje: o armador Raulzinho, do Cleveland Cavaliers.


Marcelinho Huertas arma jogada contra os EUA nas Eliminatórias da Copa do Mundo de basquete — Foto: FIBA

David Stockton, DaQuan Jeffries, Michael Frazier II, Rodney Hood e Henry Sims. Depois Alize Johnson, Chris Chiozza, Charlie Brown Jr. Não é um Dream nem um Redeem Team. Longe disso, bem longe. Mesmo assim com praticamente todos os jogadores que têm ou terá a disposição, o técnico Gustavo De Conti contou com seus atletas principais em grande noite para vencer com certa tranquilidade os EUA. E tranquilos os brasileiros não estão na classificação destas Eliminatórias.


Após cinco vitórias seguidas em cinco jogos, o Brasil seguiu para a América do Norte após três derrotas consecutivas na competição. O primeiro obstáculo foi vencido. Agora o desafio é vencer os mexicanos, novamente fora de casa, terça, às 0h30, em Chihuahua, para em fevereiro chegar praticamente garantido na Copa do Mundo na última janela de classificação. Os EUA seguem como líderes, o Brasil permanece em segundo com o México logo no calcanhar. Após esse confronto contra os mexicanos, o Brasil fecha as Eliminatórias em casa diante de Porto Rico e Estados Unidos, em locais que ainda serão definidos pela Confederação Brasileira de Basquete (CBB).


Bruno Caboclo enterra em jogo contra os EUA nas Eliminatórias da Copa do Mundo de basquete — Foto: FIBA

* Por Redação do ge — Washington, EUA

2 visualizações0 comentário