• Jornal Esporte e Saúde

Benítez faz falta, e escolhas ruins levam o Vasco a seu pior jogo no Brasileiro

Após sequência de atuações consistentes, time perde padrão, defesa vai mal e opção por Bruno César e Carlinhos como titulares não dá certo em derrota em casa para o Atlético-GO


As trocas, até então, não vinham sendo problema. Mudavam nomes, ficavam o esquema e a consistência. Assim vinha caminhando bem o Vasco no Brasileiro, mesmo sem Ramon Menezes ter conseguido, em oito jogos, repetir a escalação. A derrota por 2 a 1 para o Atlético-GO, no entanto, nesta quinta, em São Januário, evidenciou que há peças insubstituíveis. Ao menos no elenco vascaíno.


Martín Benítez certamente é uma delas. Poupado por conta da maratona de jogos, camisa 10 ficou fora pela primeira vez, e o Vasco teve sua pior atuação sob o comando de Ramon. Com o argentino em campo seria diferente? Impossível afirmar. Mas sua ausência resultou em escolhas que não deram certo e mudaram a forma de o time jogar.



Talles Magno, Vasco x Atlético-GO — Foto: André Durão


Bruno César falhou como substituto de Benítez. Outro escolhido para começar, Carlinhos esteve perdido no lado direito. Difícil até apontar para qual função ele foi escalado.


- Buraco na esquerda e pouca inspiração


Não deram certo as escolhas de Ramón na escalação inicial. Foi um primeiro tempo pobre na criação e também de sustos. Sem poder de fogo na frente, o Vasco deu brechas na defesa. Especialmente na esquerda, onde Janderson fez gato e sapato de Marcelo Alves em dois lances. Por ali o Atletico-GO chegava com facilidade e por pouco não marcou.


Com Henrique e Andrey reforçando a marcação pela esquerda, o Vasco conseguiu corrigir o buraco no setor. Ainda assim o Atlético-GO foi sempre mais perigoso. Fernando Miguel foi o melhor vascaíno em campo.


Com o meio de campo lento, pesado e pouco inspirado, a criação foi praticamente nula. Carlinhos, escalado na direita, parecia perdido, muito próximo a Pikachu. Substituto de Benitez, Bruno César foi mal. Ainda assim a melhor chance na primeira etapa saiu de um passe dele para Henrique, que chutou para defesa de Jean.


- Gol de Cano não salva o Vasco



Cano, Vasco, atlético-go — Foto: André Durão


Ramon voltou com Bruno Gomes e Vinicius nos lugares de Carlinhos e Fellipe Bastos. Com dores, Andrey deu lugar a Marcos Junior aos 5 minutos. Os nomes poderiam sugerir mais velocidade e agressividade, mas na prática o que se viu foi um domínio ainda maior do Atletico-GO. Impressionou a dificuldade do Vasco de passar do meio de campo. Com erros de passes em excesso e a marcação forte da equipe goiana, o time era inofensivo e assistia ao Atlético-GO.


Mas quem tem Cano (outro insubstituível do elenco) tem muito. No primeiro bom ataque do Vasco no segundo tempo, a bola sobrou para o argentino e... 1 a 0 Vasco.


O placar era injusto, mas era de se imaginar que ficaria na medida. Como no jogo passado, diante do Athletico-PR, Ramon fecharia a casinha e apostaria em contra-ataques. Não deu nem tempo, entretanto, de ensaiar a retranca, uma vez que o time goiano empatou no minuto seguinte com Renato Kayzer.



Atlético-go, Vasco — Foto: André Durão


O gol do centroavante revelado em São Januário expôs novos erros da defesa vascaína. Marcelo Alves, em noite muito ruim, não acompanhou Kayzer, que cabeceou sozinho.


A ducha de água fria esfriou qualquer tentativa de reação do Vasco, e o Atlético-GO, que já mandava no jogo, chegou à virada naturalmente, novamente com Kayzer, cabeceando livre entre os zagueiros vascaínos. Foi o golpe final em uma noite em que nada deu certo.


* https://globoesporte.globo.com/Por Marcelo Baltar — Rio de Janeiro.





4 visualizações0 comentário