• Jornal Esporte e Saúde

Apenas Flamengo vai assinar contrato de gestão do Maracanã


Sem os requisitos mínimos, Fluminense seguirá na parceria com o Rubro-Negro, mas não terá poder legal



Maracanã voltará a receber a seleção brasileira - Divulgação.


O Conselho Deliberativo do Flamengo vota nesta quarta-feira à noite a aprovação do contrato de concessão temporária do Maracanã. E será apenas o Rubro-Negro a assinar o acordo com o governo do Estado. Sem a Certidão Negativa de Débito (CND) e com problemas de orçamento, o Fluminense não pode participar legalmente da gestão do estádio.


Pelas regras adotadas pelo governo do Estado, modificadas e suavizadas duas vezes ao longo do processo, apenas o Flamengo entre os grandes do Rio tem os requisitos para assinar o contrato. Com isso, o Fluminense vai entrar como interveniente (um terceiro como parte interessada) no acordo.


O Flamengo vai assumir formalmente a gestão do Maracanã, mas na teoria o Fluminense também terá participação. Para isso, os dois clubes terão um contrato entre eles, que ainda está sendo redigido.


Procurado, o Fluminense garantiu que terá igualdade de condições com o Flamengo e que pretende em breve obter a CND. "O Fluminense Football Club esclarece que será permissionário, junto ao Clube de Regatas do Flamengo, na gestão do Complexo Maracanã. O compartilhamento da administração terá igualdade de condições e será garantido em contrato. O FFC destaca que está em processo de obtenção da CND (Certidão Negativa de Débito)".


Na última quinta-feira, o governador Wilson Witzel anunciou que a proposta de Flamengo e Fluminense foi a vencedora na disputa pela gestão temporária do Maracanã. Inicialmente serão 180 dias, podendo ser prorrogados pelo mesmo período.


No acordo, em que apenas o Flamengo aparecerá como representante legal, os dois clubes se comprometem a pagar R$ 2 milhões mensais pelos custos fixos do Maracanã, além de R$ 166 mil por mês ao governo. A dupla Fla-Flu ainda terá que pagar 10% do arrecadado com o tour no estádio, tendo direito ao restante, além do lucro com estacionamento, bares e camarotes.


* Por O Dia.









5 visualizações0 comentário