• Jornal Esporte e Saúde

Ao fim de regime fiscal, Rio terá de pagar dívida de R$ 170 bilhões à União

Secretário de Fazenda será questionado sobre formas de pagamento do débito e sobre o valor exato que o estado já terá que começar a quitar a partir de setembro de 2020



Governador Wilson Witzel e o secretário Luiz Cláudio Carvalho aguardam resposta sobre revisão do plano - Tomaz Silva/Agência Brasil.


Rio - A partir de setembro de 2020, o Estado do Rio terá de voltar a pagar, em parcelas, o estoque da dívida de mais de R$ 100 bilhões que tem com a União. O valor que consta de projeções feitas pela gestão anterior e entregue ao governo federal é de R$ 170 bilhões em 2023 — ao término do Regime de Recuperação Fiscal. E a forma como o governo fluminense pretende honrar esse compromisso com o Tesouro Nacional preocupa todo o funcionalismo, que viveu, desde o fim de 2015, mais de dois anos de angústia com atrasos salariais devido à queda na receita.


O tema será levado por parlamentares da Alerj ao secretário de Fazenda, Luiz Cláudio Carvalho, em audiência conjunta entre as comissões de Tributação, Economia e Orçamento.


Vale lembrar que o regime prevê a suspensão do pagamento da dívida por três anos. E mesmo que o regime seja prorrogado por igual período, ou seja, até 2023, o benefício de interrupção da cobrança do débito acaba em 2020, não podendo se estender, como prevê a lei que institui o RRF. Assim, o governo do Rio terá que voltar a quitar a dívida em 2020.


Na reunião, Carvalho apresentará detalhes do Plano de Recuperação Fiscal aos deputados, tendo em vista a renovação da Casa, mas alguns vão sugerir mudanças e cobrar respostas sobre as condições de o governo quitar a dívida, além do déficit orçamentário de 2019 de R$ 8 bilhões.


O governo Wilson Witzel já chegou a apresentar ao Conselho de Supervisão do regime um pedido de revisão do plano. Porém, até o momento, o que está valendo são as projeções feitas pela gestão anterior.


* Por PALOMA SAVEDRA.








2 visualizações0 comentário