• Jornal Esporte e Saúde

Análise: Flamengo compete, vence, mas passa longe de encantar em versão burocrática na Argentina


Análise: Flamengo compete, vence, mas passa longe de encantar em versão burocrática na Argentina


Linhas baixas, nenhum controle do jogo, pouca presença no campo ofensivo e minutos finais com três zagueiros e dois volantes de marcação.


A performance contra o Defensa y Justicia em nada lembrou o Flamengo dominante que o torcedor se acostumou a acompanhar. E a vitória no jogo de ida das oitavas de final da Libertadores não pode tirar o ponto de interrogação do que esperar do time sob o comando de Renato Gaúcho.

Michael comemora gol do Flamengo diante do Defensa y Justicia — Foto: EFE/ Gustavo Garello POOL

O chute desviado de Michael que morreu dentro do gol de Unsain foi capaz de encaminhar a classificação rubro-negra às quartas de final, mas não deixou de ser um raro suspiro ofensivo de um time que fez valer o clichê do “saber sofrer” na Argentina. Os números mostram como foi um jogo fora do normal para este Flamengo.


Dominante mesmo nos piores momentos de Rogério Ceni, a equipe finalizou somente cinco vezes contra 14 dos argentinos, que tiveram também maior posse de bola: 56% x 44%. Sufoco que passou muito pelas atuações ruins dos volantes Thiago Maia e João Gomes.


O Flamengo da partida em Florêncio Varella, na Grande Buenos Aires, foi um time sem ligação. A tão conhecida saída a três, para dar profundidade pelo lado ou superioridade numérica pelo meio, deu lugar a uma dificuldade evidente na construção desde as ações de Diego Alves.


Um dos melhores em campo pelas defesas, o goleiro errou quase tudo na saída de bola que tinha zagueiros e laterais recuados. O Flamengo esteve longe de ser envolvente e raramente tinha controle de bola a partir da intermediária ofensiva.


Acostumados mais a condução do que ao toca e passa, Thiago Maia e João Gomes não conseguiram se encontrar em campo. Por tabela, Ribeiro e, principalmente, Arrascaeta ficaram encaixotados na marcação, e Gabigol praticamente não tocou na bola.


Sem Rodrigo Caio, Diego e Arão, o Flamengo se viu em um deserto de ideias e opções na saída de bola. Diante do cenário e do gol cedo de Michael, a opção foi se defender.


Renato Gaúcho conversa com Gabigol em Defensa y Justicia x Flamengo, pela Libertadores — Foto: Gustavo Garello-Pool/Getty Images

Com dois dias de treinos e quatro desfalques, o time de Renato passou sufoco, mas venceu. Vale como licença poética para estreia, mas fica o alerta para um Flamengo que triturou treinadores sob a justificativa de exibir pouco com mão de obra de qualidade.


Em Buenos Aires, o Flamengo não exibiu nada. Foi burocrático. E voltou com os três pontos. É suficiente?


* * https://ge.globo.com/Por Cahê Mota — Rio de Janeiro.


2 visualizações0 comentário